Guarda Municipal de Petrolina

Páginas

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Por estar sem boina, PM discute com superiores e se mata após ser preso

Ronda no Quarteirão
A cada dia que passa, as polícias militares, acertadamente, se afastam do modelo militar nos moldes das Forças Armadas, que possuem motivos claros para praticar certa formação e cultura organizacional. Mesmo nos ambientes onde a lógica do comando e controle extremos se justifica, existem dificuldades de sua manutenção, principalmente por causa da emergência das liberdades individuais em nossa sociedade, aliada ao fácil acesso à informação, que reformularam os conceitos de obediência, liderança, autoridade etc.
Atualmente, não é tão simples, como talvez já tenha sido, determinar ou repreender um subordinado com a garantia de que a ordem e a repreensão não tenham efeitos negativos, para o próprio policial ou para a integridade do objetivo embutido na ordem. A escala das nossas necessidades institucionais mudam a cada momento (principalmente político), tanto quanto mudam os humores e sensibilidades humanas.
É sob esta reflexão que devemos analisar o caso a seguir, supostamente ocorrido em uma unidade policial militar do Ceará criada com pretensões comunitárias e cidadãs, o “Ronda no Quarteirão”, que pode ou não ter ocorrido conforme a imprensa tem divulgado, mas que, desde já, nos inspira pensar sobre os paradigmas institucionais que temos adotado:
O soldado Helias Silva Lima Junior, 28, faleceu por volta das 9h15min desta quarta-feira (15), no Instituto Doutor José Frota (IJF). O policial militar, que era do Ronda do Quarteirão do bairro Lagamar, foi vítima de um tiro disparado na cabeça na noite desta terça-feira, 14. Ele estava cumprindo prisão disciplinar de cinco dias, após uma discussão com oficiais da corporação.
De acordo com relato de testemunhas, o soldado estava em horário de trabalho e foi flagrado sem a boina (acessório de uso obrigatório no fardamento dos militares).
O fato gerou intensa discussão após o soldado justificar ao oficial que o motivo de não estar utilizando a boina naquele momento era devido a um tratamento capilar.
Testemunhas dizem que o soldado se sentiu constrangido e humilhado pelos oficiais perante a tropa.
Segundo o irmão do militar, ele não teria suportado a situação e acabou atentando contra a própria vida.

Autor: - Tenente da Polícia Militar da Bahia, associado ao Fórum Brasileiro de Segurança Pública e graduando em Filosofia pela UEFS-BA. | Contato: abordagempolicial@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário